• Get Adobe Flash player
  • Contador de visitas ACESSOS AO BLOG

    quinta-feira, 2 de julho de 2015

    Fim de repressão aos Militares das Forças Armadas e reconhecimento


     - Ministro da Defesa reconhece a validade da reunião dos militares das Forças Armadas na Praça dos Três Poderes e ainda com o conhecimento do Vice-Presidente da República, na data de 30 de junho de 2015.
    Foto: Jair Presidente da Associação de Praças das Forças Armadas, QESAs e representantes dos Soldados Especializados da FAB.

    Dep Fed Cabo Daciolo
    Estamos reunidos com o Vice-Presidente da República, Michel Temer, no Palácio do Jaburu, para fazermos a defesa dos Militares das Forças Armadas.
    Vamos ressuscitar a MP 2215; reintegrar os Soldados Especializados da FAB e conquistar a devida promoção dos QESA E QE. Para Deus nada é impossível!
    Juntos somos fortes. Nem um passo daremos atrás.

    DEUS ESTÁ NO CONTROLE!

    Foto de TV Daciolo.

    AMOR À PÁTRIA!
    Estivemos na Praça dos Três Poderes em um grande encontro com Militares de todo o Brasil. O evento contou com a presença de Deputados Federais e de um representante do Ministério da Defesa, José Guerra, enviado pelo ministro para acompanhar a nossa reunião.

    Parabenizo os Soldados Especializados (CESD - 1994 a 2001) da FAB e os Militares do QE e QESA pela presença maciça no evento. A nossa luta avançou e a vitória está próxima.

    Tivemos certa de 300 militares da Ativa e Reserva.

    Como resultado do encontro, ficou agendado que semana que vem nos encontraremos com o Ministro da Defesa, Jaques Wagner.
    Pauta da reunião:
    1- Reajuste Salarial das Forças Armadas
    2- MP 2215
    3- Reintegração dos Soldados Especializados da FAB
    4- Promoção dos QE E QESA
    Juntos somos fortes. Nem um passo daremos atrás.
    DEUS ESTÁ NO CONTROLE!


    Fonte: TVDaciolo

    terça-feira, 23 de junho de 2015

    Reintegração de posse em Niterói mobiliza Exército .

     - Atualizada às 

    Reintegração de posse .

    Moradores do forte Imbuhy alegam que estão sendo retirados à força por soldados que apoiam oficiais de Justiça

    O DIA
    Soldados do Exército apoiou ação de despejo de moradores do Forte Imbuhy nesta terça-feira
    Foto:  WhatsApp O DIA (98762-8248)
    Rio - A ação de reintegração de posse de três casas no interior do Forte Imbuhy, em Niterói, realizada por quatro oficiais de Justiça, com apoio do Exército Brasileiro, causou revolta de moradores do local. Eles alegam que estão sendo retirados à força, com crianças e famílias passando mal. Já o Comando Militar do Leste (CML) afirma que os moradores desrespeitaram a ordem de saída voluntária no prazo estipulado pela Justiça. 
    Sobrinho da moradora Edna Laura, Márcio dos Santos, de 26 anos, afirmou que o Exército está atuando comj força excessiva e sem diálogo. "Nasci e morei lá por muito tempo. Lamento o que está acontecendo. Lutamos há anos para nos manter lá. Agora, o Exército conseguiu uma decisão favorável . Mas há inúmeras famílias e casas centenárias no local. Estão tirando todo mundo à força, crianças e senhores", disse ele.
    Segundo o Comando Militar do Leste, além do envio de soldados para garantir o cumprimento dos mandados, há equipes de assistência social e apoio médico. A decisão judicial transitou em julgado no dia 27 de abril de 2015.
    Professor da Faculdade de Direito da UFF e apoiador do projeto de defensoria popular da instituição — que presta assessoria jurídica às famílias despejadas —, Rogério Dutra chegou a alegar que o Exército pretende construir um resort de luxo na região.
    "Embora tenha havido uma sentença que autoriza a remoção, ainda cabe recurso. Durante os últimos 20 anos houve tentativa de expulsão das famílias. É preciso sensibilizar o Ministério da Defesa. São famílias que estão no local desde o século XIX. O Exército quer tirar para construir um resort de luxo para oficiais de alta patente. As pessoas estavam tentando resolver individualmente e os advogados buscam unir o grupo para recorrer à ação", disse o professor.
    Luta de anos
    Em 1994, os moradores da praia do Forte Imbuhy ingressaram com uma Ação de Interdito Proibitório contra a união. A Advocacia Geral da União (AGU) contestou a ação e solicitou a reintegração de posse da área ocupada pelos moradores na região do Forte Imbuhy.
    O Exército diz que a ação de retirada é em cumprimento à ordem judicial e respeitando as famílias que ali se revezavam. "Os estudos e tratativas para uma possível realocação desses moradores não foram levadas adiante, já que parte significativa não concordou nem com os termos apresentados nem em receber terrenos em outro local", afirmou o CML.
    Deputado federal pelo PT do Rio, Chico D'Angelo e outros parlamentares tentam ajudar as famílias que lutam para continuar no local há anos. "Na semana passada, estiveram reunidos com o Ministro da Defesa, Jaques Wagner, parlamentares do Rio, vereadores de Niterói e o presidente da associação de moradores do Forte. São 35 famílias vivendo lá. São pessoas simples, não usam a região para ganho financeiro. As datas das ordens de ocupação foram diferentes, de acordo com o Exército. A data deles para sair já teria vencido. É uma região bonita e valorizada e que o Exército utiliza para fazer festas e há uma série de interesses".
    Reportagem de Clara Vieira

    O DIA/UNPP

    Estado Islâmico mostra prisioneiros afogados e explodidos .

     - Atualizada às 

    Estado Islâmico mostra prisioneiros.

    Imagens de homens afundados em piscina dentro de uma jaula e outros recebendo colares de explosivos são chocantes

    O DIA
    Iraque - Terroristas do Estado Islâmico chocaram o mundo mais uma vez com imagens, divulgadas nesta terça-feira, da execução devastadora de prisioneiros de suas tropas. Um vídeo feito em uma das fortalezas do grupo, em Nínive, em Mosul, no Iraque, mostra reféns em uma jaula sendo covardemente afogados em uma piscina luxuosa. Em outro trecho da filmagem, dividida em três partes, é possível ver os homens sendo explodidos pelos terroristas das maneiras mais sórdidas.
    Acusados de espionagem são postos dentro de uma jaula, que em seguida afunda em uma piscina. As imagens mostram o desespero dos prisioneiros, que estão aparentemente calmos, mas quando a jaula começa a afundar entram em pânico. Câmeras debaixo d'água capturaram a tortura das vítimas até que elas perdessem a consciência.
    Grupo foi trancado pelo Estado Islâmico em jaula para ser afogado em seguida
    Foto:  Reprodução Internet
    Um grupo de quatro pessoas é trancado dentro de um carro enquanto os terroristas acionam um detonador de granada. Outros sete prisioneiros são decapitados após acorrentados juntos, receberem cada colares de explosivos.
    Há ainda imagens de entrevistas com os prisioneiros, nas quais eles "confessam" seus crimes .
    O Estado Islâmico é famoso por divulgar suas atrocidades e filmes sádicos na Internet. Em seu currículo estão as execuções de reféns britânicos e norte-americanos, queimar o piloto jordaniano Moaz al-Kasasbeh e inúmeros vídeos de execuções armadas.
    Prisioneiros recebem colares de explosivos de carrasco do Estado Islâmico
    Foto:  Reprodução Internet
    Nesta segunda-feira, foi anunciado pela polícia europeia (Europol, na sigla em inglês), que uma unidade policial que abrangerá toda a Europa será criada no próximo mês para combater o grupo na Internet. O objetivo é fechar contas de redes sociais usadas por militantes importantes do Estado Islâmico para fazerem propaganda e recrutar estrangeiros para sua causa.
    A pequena equipe policial irá varrer a Internet e procurar derrubar contas de membros destacados do grupo terrorista horas após sua descoberta, uma tentativa de prejudicar a máquina propagandística que se acredita enviar cerca de 100 mil tuítes por dia.

    O DIA/UNPP

      quinta-feira, 18 de junho de 2015

      TRÊS MILITARES DO EXÉRCITO SÃO FERIDOS E UM MORADOR MORRE EM TIROTEIO NO COMPLEXO DA MARÉ .

      Morador morre baleado durante tiroteio no Complexo da Maré

      Vanderlei Albuquerque foi vítima de confronto entre bandidos e militares da Força de Pacificação na região

      O DIA
      Rio - Um morador do Complexo da Maré, na Zona Norte do Rio, morreu depois de ser baleado dentro de casa, na localidade Vila dos Pinheiros, na madrugada desta sexta-feira. Vanderlei Conceição de Albuquerque, de 34 anos, foi atingido durante tiroteio entre bandidos e militares da Força de Pacificação que atuam na região. No confronto, mais três soldados do Exército também se feriram.
      A Divisão de Homicídios da capital assumiu o caso e informou que a perícia já foi realizada no local. Testemunhas e familiares da vítima estão sendo ouvidos.
      Segundo a Força de Pacificação, o confronto começou quando soldados faziam patrulhamento de rotina na região e acabaram sendo atacados por criminosos armados. Após o confronto, a Força de Pacificação reforçou a segurança da região. Depois de disparar contra os militares, os bandidos fugiram. Dos três militares feridos, dois foram atingidos por estilhaços. O terceiro foi baleado no braço.
      Segundo testemunhas, Vanderlei chegou a ser levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da comunidade, mas não resistiu. Os soldados foram encaminhados ao Hospital Central do Exército (HCE), em Benfica. Os dois que foram atingidos por estilhaços receberam alta. O militar baleado no braço passou por cirurgia e segue internado na unidade.

      terça-feira, 16 de junho de 2015

      Pesquisa sobre situação financeira dos militares das Forças Armadas brasileiras.

      terça, 16 de junho de 2015

      Resultados. Pesquisa sobre situação financeira dos militares das Forças Armadas brasileiras. Primeiro semestre de 2015. Revista Sociedade Militar

      Situação econômica dos militares das Forças Armadas brasileiras, incluindo ativa, reserva e pensionistas.


      Objetivo - O projeto tem por objetivo geral levantar um conjunto de informações sobre a situação econômica dos militares das Forças Armadas brasileiras, incluindo ativa, reserva e pensionistas.

      Período de campo -  De 9 a 12 de maio de 2015.
      Universo - A pesquisa foi realizada com militares da ativa, reserva e pensionistas que voluntariamente responderam a questionário disponibilizado na Revista Sociedade Militar e no sistema online Google Forms.
      Número de Entrevistas -  862 entrevistados em todo o Brasil.
      Margem de Erro e Nível de Confiança -  A margem de erro estimada é de aproximadamente 3 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra. O nível de confiança é de 95%. (Cálculo verificado pelos sistemas http://www.comres.co.uk/our-work/margin-of-error-calculator/ e http://www.polarismr.com/polaris-help-center/stat-calc-margin-of-error)
      Comparação. O IBOPE, em 15 de outubro de 2014, divulgou pesquisa nacional sobre intenções de voto para presidente da república. O instituto coletou 3010 questionários para uma população de 141 milhões de eleitores. Nesse caso a amostra equivale a 0.00213% da população estudada. Na pesquisa apresentada nesse relatório, patrocinada pela Revista Sociedade Militar, onde foram colhidos 820 questionários para uma população de aproximadamente 600 mil militares e pensionistas, a proporção foi de 0,125. Ou seja, a pesquisa sobre os militares foi 50 vezes mais abrangente. Para alcançar a mesma proporção o IBOPE teria de apresentar aproximadamente 155 mil questionários em sua pesquisa.
      Resultados
      A pesquisa comprova com dados incontestáveis que os militares federais (ativa, reserva e pensionistas) têm passado por situação complicada por conta da ininterrupta perda de poder aquisitivo ocorrida ao longo de vários anos.
      Perfil
      43% dos entrevistados possui nível superior.
      65% são da ativa, 33.1% da reserva e 1.7% são pensionistas.
      Endividamento
      Enquanto a média de famílias brasileiras endividadas, ou seja, que deixaram de quitar pelo menos uma conta no último mês, é de 19% (dados de Conf. Nac. do Com. de Bens, Serviços e Turismo), segundo a pesquisa, nas Forças Armadas o percentual de endividamento chega a um número exorbitante. 56.7% responderam que mantém pelo menos uma dívida em atraso.
      Casa própria
      A pesquisa mostrou que 62.5% dos militares (Ativa e reserva) não possui casa própria. Entre os militares da ativa 68.4% não possuem casa própria. Dos oficiais entrevistados 45% não possuem casa própria ou financiada. Dos sargentos e suboficiais 64% não possui imóvel próprio ou financiado.
      12% dos entrevistados tem como principal dívida o aluguel.

      Poupança
      74.6% dos militares (Ativa e reserva) não possui qualquer investimento. Somente 25% conseguem guardar algum dinheiro e investem em poupança, fundos de ações ou outros investimentos. Nesse quesito os militares estão novamente em situação pior do que a maioria dos brasileiros. A última pesquisa do Banco Central mostra que 75% dos brasileiros fazem poupança. (https://www.monetar.com.br/uau-street/rota-do-investidor/rota-do-investidor-coluna/brasileiro-prefere-poupanca-por-seguranca-e)
      Empréstimo consignado
      75% dos entrevistados têm dívidas com empréstimo consignado. Pesquisas indicam que somente 34% dos brasileiros já fizeram empréstimo consignado.  http://meubolsofeliz.com.br/imprensa/tres-em-cada-dez-brasileiros-ja-fizeram-emprestimos-consignados-revela-pesquisa/
      45% dos militares da ativa tem como principal dívida o empréstimo consignado.
      34%  dos oficiais que responderam ao questionário tem como principal dívida o empréstimo consignado.
      11% dos militares da ativa pagam prestações de empréstimo consignado que equivalem a mais de 50% de seus vencimentos.
      19.7% dos militares da reserva / pensionistas pagam prestações de emp. Consignado que ultrapassam 50% de seus vencimentos.
      Somente 21% dos militares da reserva / pensionistas não possuem dívidas com empréstimo consignado.
      77% dos entrevistados já estiveram em situação em que precisaram realizar um empréstimo para quitar dívidas contraídas anteriormente.
      militares pesquisa 2015
      Preocupação com a carreira e situação financeira.
      Quase 82% dos entrevistados (Todos os postos e graduações) declararam que nos últimos anos pensaram em pedir baixa das Forças Armadas.
      89% dos entrevistados que estão na ativa se sentem desestimulados e 46.5% acreditam que a situação atrapalha o seu desempenho profissional.
      Entre os entrevistados com menos de 20 anos de serviço o número é preocupante. Desses, que são os militares mais jovens, 86.4% pensaram recentemente em pedir baixa. Dos militares entrevistados com mais de 20 anos de serviço ativo, 54% pensaram recentemente em abandonar a carreira militar.
      Restrições
      34% dos entrevistados declararam que tiveram que reduzir gastos com alimentação educação e/ou saúde.
      54% dos entrevistados declararam que reduziram despesas com lazer, viagens etc.
      Perspectivas
      93.2% dos entrevistados acreditam que o salário dos militares das Forças Armadas está defasado em relação a outras categorias.
      53.2% dos entrevistados acreditam que a situação salarial dos militares das Forças Armadas vai piorar.
      Revista Sociedade Militar –UNPP

      Quatro x um: brigadeiros absolvem coronéis da FAB em processo de fraude, 'contra provas robustas', diz procurador.

      16 de junho de 2015

      Quatro x um: brigadeiros absolvem coronéis da FAB .

      Procurador critica absolvição de coronéis da Aeronáutica que respondiam a processo por fraude
      Envolvidos em compra de R$ 2 milhões, militares respondiam por prática de estelionato, com pena de reclusão de até sete anos

      ANTÔNIO WERNECK
      RIO — Por quatro votos a um, dois coronéis da Aeronáutica e três funcionários de uma empresa de informática foram absolvidos no mês passado pela Justiça Militar da acusação de terem cometido fraudes de R$ 2 milhões na compra de material para a Diretoria de Engenharia da Aeronáutica (Direng). O procurador Luciano Moreira Gorilhas, do Ministério Público Militar do Rio, criticou a decisão e adiantou que vai recorrer.
      — Fecharam os olhos diante das provas robustas existentes nos autos — afirmou Luciano Gorrilhas, que vai apresentar recurso no Superior Tribunal Militar (STM).
      Segundo ele, há farta documentação no processo sobre as irregularidades. O procurador disse que até o depoimento da então chefe da seção de provisões da Direng, Gabriele Cristina da Silva, confirma que o material adquirido nunca chegou ao almoxarifado da unidade militar. A suposta compra, grande parte de cartuchos de impressoras, teria ocorrido em 2007.
      UMA JUÍZA E QUATRO BRIGADEIROS
      Procurada pelo GLOBO, a assessoria do comando da Aeronáutica informou que não iria comentar a decisão.
      Os acusados respondiam por prática de estelionato, com pena de reclusão de dois a sete anos. O júri era composto por uma juíza togada (magistrado graduado em Direito e aprovado em concurso) e quatro oficiais da Aeronáutica. A juíza Marilena da silva Bittencourt votou pela condenação dos réus, mas eles foram absolvidos pelos outros integrantes do júri: os brigadeiros Armando Celente Soares, Sérgio Idal Rosenberg, Fernando César Pereira Santos e Fernando José Teixeira de Carvalho, que compõem o Conselho Especial de Justiça para a Aeronáutica.
      Na opinião de Gorrilhas, os julgamentos de militares das Forças Armadas que respondem por crimes correlatos aos da Justiça comum só resultarão em decisões mais justas quando forem de responsabilidade de juiz togado, sem interferência de militares. Ele lembrou que uma proposta de alteração da legislação da Justiça Militar está em tramitação no Congresso Nacional.
      O Globo/UNPP

      Militar da tropa de elite do Exército brasileiro é baleado no Haiti.

      16 de junho de 2015

      Sargento das Forças Especiais do Exército é baleado no Haiti

      Sargento foi atingido na perna na área mais violenta de Porto Príncipe.
      Ele integra força de paz da ONU e já não corre perigo.
      • Sargento brasileiro foi atingido por em Sité Soleil, área violenta da capital haitiana
      Tahiane Stochero
      Do G1, em São Paulo
      Um militar brasileiro que integra a tropa de elite que o Exército mantém na missão de paz da ONU no Haiti foi baleado no domingo (14) durante uma patrulha em Cité Sóleil, a região mais violenta da capital haitiana, Porto Príncipe.
      O militar foi atingido na perna, sendo socorrido a um hospital argentino que presta serviços às tropas das Nações Unidas no país caribenho. Ele teve alta nesta segunda feira e, segundo o Exército, não corre riscos.
      Trata-se de um sargento que integra o Dopaz, o Destacamento de Operações de Paz, que o Exército brasileiro mantém em seu batalhão no Haiti desde 2006, e que é formado por militares Comandos e Forças Especiais. A unidade é usada como linha de frente nas operações da ONU para enfrentar os grupos armados no Haiti. O G1 apurou que o suspeito de atirar contra o brasileiro teria sido morto no confronto.

      segunda-feira, 15 de junho de 2015

      Exército cria para sargentos e subtenentes cargo de Adjunto de Comando, novo elo com a tropa .

      14 de junho de 2015

      Exército que reforçar ligação do comando com a tropa
      Dia do Exército
      O Exército brasileiro lançou-se em uma experiência inédita: criar o cargo de Adjunto do Comando, para distinguir o subtenente ou o 1º sargento que, por meio de sua destacada liderança, reconhecida competência e perfeita conduta pessoal, seja capaz de representar um elo a mais entre o comando de sua unidade e a tropa.
      A Portaria Nº 103, assinada pelo chefe do Estado-Maior do Exército, general Sergio Westphalen Etchegoyen, a 22 de maio último, aprovou “a Diretriz de Implantação, em caráter experimental, do Projeto de Criação do Cargo de Adjunto de Comando”.
      A novidade será materializada através de projeto piloto a ser implantado em cinco unidades: na 4ª Brigada de Infantaria Motorizada (Juiz de Fora – MG), na 10ª Brigada de Infantaria Motorizada(Recife – PE), na 1ª Brigada de Infantaria de Selva (Boa Vista-RR), na 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada (Dourados – MS) e na 6ª Brigada de Infantaria Blindada (Santa Maria – RS).
      De acordo com a Diretriz de Implantação, a criação do cargo “terá alta prioridade para o Estado-Maior do Exército”.
      Projeto piloto será implantado em unidades de Minas Gerais, Roraima, Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul
      tropa exercito brasileiro
      O Adjunto de Comando terá como atribuições: (a) ser divulgador da Ética e dos Valores Militares, (b) ser fortalecedor dos padrões do Comportamento Militar, (d) ser um facilitador da comunicação entre o Comando e as praças, (e) ser divulgador da missão e da visão da Unidade e dos conceitos do Comando, e (e) assessorar o Comando em assuntos disciplinares, de instrução e do bem-estar, incluindo o da Família Militar.
      Do Adjunto será exigida a capacidade de se comunicar com clareza e, principalmente, a aptidão para ouvir as reivindicações e considerações dos subordinados. Em contrapartida, o sargento ou subtenente escolhido para o cargo de Adjunto terá, nessa designação, uma oportunidade de valorizar sua folha de serviços .
      Um comunicado da Agência Verde-Oliva divulgado nesta sexta-feira (12.06) pelo portal do Comando do Exército esclarece: o cargo de Adjunto de Comando “não representará uma mera distinção, e sim uma missão” no âmbito do amplo processo de transformação que a força terrestre brasileira vem experimentando.
       
      ForteJor/UNPP
       
       comentários:
      Anônimo disse...
      Valeu EB, nas reuniões de estado maior o Adjunto do Comando vai falar sobre qual assunto ? Como anda a moral da tropa, como os Sgt estão infelizes com seus salários, que não tem vaga no colégio militar. Vamos falar sério Sargentos: por favor não se dêem o trabalho de sair de sua nova sala para falar assuntos que nem você é nem ninguém tem a solução. 
      Anônimo disse...
      Adivinhem quem vai folgar na escala de serviço dos fins de semana!
      Anônimo disse...
      kkkkkk.....
      valorizar o bolso do praça nada, né!!!
      kkkk....
      só me resta rir
      mais uma intubação
      menos um trabalho aos atribulados e soberbados semideuses !!!
      kkkk...
      Anônimo disse...
      Nooossa!!! Os caras irão dar o sangue (não o deles) para alcançarem o status de "adjunto ao comando", já até imagino os candidatos, quem pensar que isso é valorização do mérito tá muito iludido. Apenas 01 UM 1º Sgt ou Sten pela saco terá a honra(?) de ser o ADJ ao CMDO em cada OM, o acesso ao cmt pelos praças vai ficar mais restrito e distante dificultando a comunicação e a solução de certos problemas, e este adj ao cmdo terá de ser alinhadinho e caladinho com todas as ideias e decisões do cmdo.
       
      Christian Bernhardt disse...
      Ótima iniciativa, similar ao que já ocorre no Exército Americano...

      Como sonhei com isso nos meus tempos de ativa...
      Anônimo disse...
      Já estou até vendo como vai ser:
      - Sub Fulano, você viu o Sgt Beltrano na OM?
      - Vi sim, Cel. Falei com ele hoje depois da formatura, pois ele, não sei por quê, ainda estava no alojamento trocando de roupa...
      SG FN MO disse...
      No Corpo de Fuzileiros Navais, já existe este cargo, é chamado de SUB-OFICIAL MOR. Tem acesso direto ao Comandante da OM.
      Anônimo disse...
      Valorização dos graduados, como aconteceu com as sindicâncias agora talvez seja nos dado a honra de conduzir IPMs. E no mundo real a vida continua.
      Anônimo disse...
      Não há como não encarar essa proposta como uma forma de institucionalizar o cargo "puxa-saco do comandante". Como milico gosta dessas coisas... Tô prá ver!!!
      S Ten Marcos Pinto disse...
      Comentários negativos de praças reclamões e revoltadinhos com a vida iniciando em 3... 2... 1 ...

      P.S. 99% das postagens desse tópico vai reclamar de salário também ...
      Anônimo disse...
      Agora que ferrou mesmo, querem colocar uma praça, geralmente será um puxa saco que ainda acredita no sistema, para tentar disciplinar, calar a voz da tropa. Eles acham que por ser praça esse militar terá maior poder de dissuasão perante os demais. Na minha opinião, que estou em final de carreira, com certeza não vai dar certo e digo pq, os militares mais jovens tem um nível de estudo bem maior que os velhos dinossauros e em consequência a grande maioria já tem uma opinião formada e conhecimento do que se passa dentro da força até pela facilidade de mecanismos de informação disponibilizados na mídia, sabem das falcatruas, das safadezas, dos favorecimentos e tbm do descaso que vem do Forte Apache. Então senhores aquela técnica antiga de tentar colocar o gado velho na testa com a intenção de calar a boca, doutrinar e disciplinar por um falso exemplo, dessa vez não vai colar. Os mais novos estudam para concurso, os mais velhos querem sair fora, sobra um parte de puxa sacos que assim o fazem pq estão se dando bem na força, com comissões, promoções e transferências VIPS, mas é um número pequeno e é dai que vão sair esses Adjunto Comando. Concluído, será mais um para fazer o leva e trás entre o Comando e a Tropa.

      quarta-feira, 10 de junho de 2015

      Gasto militar brasileiro causa polêmica em seminário .

      10 de Junho, 2015 - 10:35 ( Brasília )

      Defesa


      Cristian Klein

      Com uma frase do chanceler alemão Otto von Bismarck (1815-1898) — “A Itália tem um grande apetite, mas dentes fracos” —, o cientista político Octavio Amorim, da Fundação Getulio Vargas (FGV) do Rio, defendeu o aumento dos gastos militares do Brasil, durante seminário internacional sobre os Brics, grupo de países que reúne ainda Rússia, Índia, China e África do Sul.
      A apresentação causou polêmica no evento — organizado pelo centro de estudos FGV Crescimento & Desenvolvimento — quando a sessão foi aberta a perguntas. O pesquisador André de Mello e Souza, do Ipea, questionou a necessidade de grandes investimentos militares, uma vez que a situação geopolítica brasileira seria bem diferente à da China, por exemplo, que faz fronteira com Índia e Rússia.

      Sem vizinhos que representem ameaças na América do Sul, o Brasil não poderia se dar ao luxo de aumentar os gastos militares enquanto ainda há enormes deficiências em serviços públicos como saúde e educação.

      Octavio Amorim respondeu que o país não precisa ter como meta ser uma grande potência militar — como Estados Unidos, Rússia ou China — mas deveria se preocupar em pelo menos alcançar um padrão chileno ou colombiano de investimento militar — o que ainda não é o caso.

      Em sua apresentação, Amorim destacou que o gasto militar brasileiro em 2014 representou 1,4% do Produto Interno Bruto (PIB), enquanto os de Rússia, Índia, China e África do Sul foram, respectivamente, 4,5%, 2,4%, 2,06%, 1,2%. Em relação ao total de gastos do governo central, o percentual do Brasil é o menor dos Brics, 3,4%, menos de um terço dos 11,7% destinados para a área na Rússia.

      O cientista político também citou a baixa prontidão das Forças Armadas brasileiras: em 2011, dos 98 navios da Marinha, apenas 48 (48%) estavam aptos para ação; dos 1.953 tanques do Exército, só 1.079 (55%) estavam em condições para operação; e dos 208 caças da Aeronáutica, 85 (41%) podiam ser utilizados.

      O mediador da mesa, o pesquisador e professor Pedro Ferreira, também da FGV, ressaltou que metade dos serviços públicos brasileiros, como escolas e hospitais, também não funciona.
      Na apresentação, Amorim já havia destacado que argumentos como estes — vizinhos fracos ou escassez de recursos — fazem parte da visão Dovish, um neologismo a partir da palavra pombo em inglês (dove), em contraste com uma postura Hawkish (derivada de falcão), que defende uma política militar mais atuante.

      A perspectiva Dovish seria a tônica do Ministério das Relações Exteriores. “Isso tem a ver com um estigma porque tivemos uma ditadura militar, mas está se tornando um problema pelas ambições internacionais do Brasil”, disse Amorim, que lançou mão da frase de Bismarck para comparar as pretensões nacionais atuais com as da Itália antes da Primeira Guerra Mundial.

      Oliver Stuenkel, pesquisador do CPDOC da FGV, em São Paulo, lembrou que mesmo na diplomacia o papel do Brasil é acanhado. “Temos umas 80 pessoas na embaixada em Pequim, quando seriam necessárias pelo menos umas 150. A representação americana tem mais de mil”, disse.

      Do auditório, uma participante revelou seu total apoio à visão Hawkish e associou a falta de maiores investimentos militares ao governo federal liderado pelo PT, o qual classificou de projeto comunista em andamento. Da mesa, Jonathan Fenby, especialista em China da consultoria Trusted Sources, em Londres, foi irônico: “Pela nossa experiência, não acho que os comunistas sejam contra o poder militar”.

      Brasil e Equador estreitam parceria em defesa cibernética e investigação de acidentes aéreos .

      09 de Junho, 2015 - 11:30 ( Brasília )

      Brasil e Equador 

      Foto: Tereza Sobreira - Assessoria de Comunicação Social (Ascom) Ministério da Defesa


      O ministro Jaques Wagner recebeu, na tarde desta segunda-feira (8), o ministro da Defesa do Equador, Fernando Cordero Cueva. Na audiência, foram tratadas as parcerias nas áreas de defesa cibernética e investigação de acidentes aéreos. A visita aconteceu na sede da pasta, em Brasília (DF), e teve o objetivo de compartilhar temas de interesse comum aos dois países.

      O ministro equatoriano disse que o presidente Rafael Correa está empenhado em desenvolver cooperação com o Brasil, em vários assuntos. Sobre o trabalho realizado pelos militares equatorianos no caso de acidentes aéreos, Cordero Cueca explicou que, quando ocorre uma situação, é estabelecida equipe com integrantes da Força Aérea e Defesa Civil, por exemplo, para investigar.
      O comandante da Aeronáutica, brigadeiro Nivaldo Luiz Rossato, falou que no caso do Brasil esse tipo de atividade fica a cargo do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). “A ideia do Cenipa é que venham oficiais graduados de vocês para cá, fazer curso de três semanas”, afirmou.
      Acerca de defesa cibernética, o comandante do Exército, general Eduardo Dias Villas Bôas, lembrou que a Força terrestre pode estabelecer cooperação neste aspecto. “Estamos à disposição para que conheçam o Centro de Defesa Cibernética.”
      De acordo com o ministro Cordero Cueva, esta é uma temática “cada vez mais urgente”, uma vez que o Equador não possui um consenso sobre qual órgão ou instituição deva cuidar da questão. “Ainda é algo difuso. Precisaríamos desenvolver uma escola de defesa cibernética”, reiterou.
      Esude
      Durante a reunião, Jaques Wagner agradeceu o apoio que o Equador vem dando à Escola Sul-Americana de Defesa (Esude), localizada na capital Quito. Ele prometeu conhecer, em breve, a instituição.
      O contraparte equatoriano lembrou que, agora com o professor brasileiro Antonio Jorge Ramalho na secretaria-geral da Esude, “a expectativa é de que possamos chegar a conceitos comuns de integração sul-americana”. O ministro brasileiro enfatizou que as relações bilaterais serão incrementadas com o novo secretário-geral.
      A instalação da Esude foi um dos atos principais de celebração do oitavo aniversário da criação da União das Nações Sul-Americanas (Unasul), órgão idealizado para promover a integração na região em matéria política, social, econômica, ambiental e de infraestruturas.
      O ministro Fernando Cordero Cuevas foi recebido com honras militares na entrada do edifício-sede da Defesa, logo no início da tarde de hoje. Após a reunião bilateral, a comitiva almoçou com Jaques Wagner e sua equipe.

       
      contador de visitas gratis ACESSOS AO BLOG
      Blogger